fbpx
10/12

PEP/HIV – Profilaxia Pós-Exposição: o que é e para quem é indicada

A PEP é uma estratégia que se utiliza de um esquema com medicação antirretroviral em pessoas que se expuseram ao risco de contrair o HIV.

Ela é recomendada a todos os casos em que ouve uma exposição com risco significativo em que possa ocorrer a transmissão do vírus do HIV, no entanto é fundamental uma avaliação para que ocorra a indicação da PEP.

Essa avaliação é realizada por um clínico, por isso deve-se procurar os serviços de referência que irão realizar a orientação sobre utilização da PEP. 

Existem alguns casos em que a PEP não está indicada, e como todas as medicações, existe um risco de toxicidade, portanto os benéficos deste esquema deverão superar os riscos para serem bem indicados.  
 

Materiais que podem transmitir o vírus do HIV:

 

  • Sangue e outros materiais contendo sangue contaminado;
  • Sêmen e líquido pré-ejaculatório;
  • Fluídos Vaginais;
  • Entre outros;

 

Materiais que NÃO podem transmitir o vírus HIV:

 

  • Suor;
  • Lágrimas;
  • Fezes;
  • Urina;
  • Vômitos;
  • Secreções nasais;
  • Saliva (exceto em ambiente odontológico).

 

Tipo de Exposição

 

  • Percutânea (perfuração da pele por instrumentos como agulha);
  • Membranas mucosas como: genitais, ânus, olho, nariz, boca;
  • Pele não íntegra (contato direto do material com pele lesionada como feridas, cortes ou alguns tipos de doenças que comprometam a integridade da pele);
  • Mordedura com presença de sangue (quando uma mordida é tão forte a ponto de tirar sangue, tanto à pessoa que mordeu, quanto a que foi a mordida devem ser avaliadas para a PEP).

 

Exposição SEM Risco de Transmissão do HIV

 

  • Contato de material potencialmente contaminado com pele íntegra;
  • Mordedura SEM sangue.

 

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV – Tempo de Início

 
Quanto mais rápido for iniciado o esquema, maior a sua eficácia. Ele deve ser iniciado o mais rápido possível, mas pode ser feito em até 72 horas após a exposição. Depois desse tempo, não há nenhuma comprovação de benefício e o esquema não deve ser iniciado.
 

Condição Sorológica para HIV da Pessoa Fonte e da Pessoa Exposta

 
Antes de iniciar a medicação, a pessoa exposta deve ser submetida a um teste rápido para o HIV (testes rápidos têm seu resultado em até 30 minutos).

Caso dê positivo (reagente), significa que a infecção pelo HIV ocorreu antes dessa exposição e a profilaxia não está indicada.

Nesse caso, a pessoa não deve iniciar a PEP e deve procurar um serviço especializado ou médico infectologista, que pedirá os exames iniciais para iniciar o tratamento para o Vírus mesmo que a pessoa não esteja com nenhum sintoma de doença.

Pessoas com teste rápido positivo para HIV não devem iniciar a PEP.

Caso seja possível realizar um teste rápido na pessoa fonte (pessoa dona do material biológico) e o mesmo der negativo, a PEP não está indicada para a pessoa exposta.

Mas se a pessoa fonte tiver se exposto ao risco de contrair HIV nos últimos 30 dias, a pessoa que acabou de se expor tem a indicação da PEP, pois o teste da pessoa fonte pode ter dado negativo por causa da janela imunológica (a pessoa se infectou há tão pouco tempo, que ainda não apareceu no exame).

Se o teste rápido da pessoa fonte for positivo ou não for possível de ser realizado, a PEP está indicada para a pessoa exposta.
 

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV – Esquema

 
A pessoa deve ingerir 2 comprimidos diferentes uma vez ao dia, por 28 dias.

  • 1 comprimido contendo o Tenofovir e  Lamivudina + 1 comprimido contendo o dolutegravir  são a escolha mais comum.

Eles devem ser tomados preferencialmente no mesmo horário e não se deve pular nenhum dia. Tomá-los da forma errada pode diminuir a eficácia do esquema, e a pessoa pode acabar se infectando pelo vírus HIV.

Existem outros esquemas disponíveis caso a pessoa não se dê bem com eles ou tenha alguma contraindicação a algum desses medicamentos.
 

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV para Casais Sorodiferentes

 
Nenhum estudo conseguiu comprovar transmissão do HIV de uma pessoa portadora de HIV com Carga viral indetectável para outra pessoa, mesmo em relação sexual sem proteção.

Para indicar a PEP para alguém que teve relação sexual com uma pessoa que vive com HIV, deve-se considerar os seguintes fatores:

  • Adesão da pessoa vivendo com HIV ao tratamento com antirretrovirais;
  • Níveis de HIV detectado no sangue da pessoa em tratamento;
  • Ausência de outra ISTs em ambos;
  • Relações de prática sexual de risco com outras pessoas.

É importante levar em consideração o sentimento da pessoa exposta e o risco de transmissão que está disposta a correr, na dúvida, o PEP estará indicado.

Para casais sorodiferentes com relacionamento fixo, o uso da PrEP-HIV (Profilaxia pré exposição sexual) pode deve ser oferecido.
 

Reação Adversa ao Esquema de medicação:

 
Mais de 50% dos usuários apresentam alguma relação adversa. No entanto, essas reações geralmente são leves e a medicação é muito bem tolerada.

Além disso, a medicação pode apresentar efeitos tóxicos que não necessariamente causam algum sintoma. Por isso a importância de se fazer o acompanhamento com o médico ou profissional de saúde durante o uso do PEP.

É importante não colocar o parceiro sexual em risco e também se proteger de novas exposições. A pessoa em uso de PEP deve ter relações sexuais protegidas com preservativo até descartar a infecção.

  • Repetir o teste diagnóstico de HIV ao final da PEP, ou seja, com 30 dias após a exposição.
  • Repetir novo teste após 90 dias da exposição.

Sempre que ocorre uma exposição a materiais biológicos, é importante lembrar que o HIV não é a única doença que pode ser transmitida e outros exames específicos como hepatites B e C, sífilis devem ser sempre solicitadas.
 

Prevenção Durante a PEP:

 
Não pode haver nova exposição ao risco durante o uso da PEP até o encerramento do caso por isso deve-se:

  • Usar preservativo em qualquer relação sexual (mesmo com parceiro fixo);
  • Não compartilhamento de seringas ou agulhas no caso do uso de drogas injetáveis;
  • Não doar sangue, órgãos, esperma ou tecidos;
  • Não engravidar.

Em Vacaria quem realiza o primeiro atendimento é o Hospital Nossa Senhora da Oliveira sendo feito o acolhimento, a primeira avaliação, e se necessário a indicação do esquema de tratamento (medicação), após a pessoa será encaminhado para o SAE para continuidade do atendimento.

Você pode receber maiores informações sobre a PEP buscando o SAE ou as unidades mais próximas de sua casa. 
 

IMPORTANTE

O diagnóstico precoce do HIV aliado ao tratamento adequado constitui uma forma de prevenção para novas transmissões, além de melhorar tanto a expectativa de vida quanto a qualidade de vida do portador de HIV.

Rua Júlio de Castilhos, 930 Centro - Vacaria/RS

Contato

Contato

99199-1439

E-mail

E-mail

sae.saude@vacaria.rs.gov.br

Open chat
Precisando de ajuda?