fbpx

Perguntas Mais Comuns Sobre o HIV

 

1. Qual a forma mais comum de transmissão do HIV hoje em dia?

A principal via de transmissão é a relação sexual desprotegida.

 

2. Eu posso pegar HIV fazendo sexo com uma pessoa não contaminada?

Não se pega o vírus HIV de pessoas que não têm o vírus HIV. Porém, há muitas pessoas que não conhecem a sua sorologia e outras tantas que podem ter sido testadas no período de janela imunológica e ainda não tem o diagnóstico. Por isso, é importante se prevenir em todas as relações sexuais. 

 

3. É possível ter relações desprotegidas com uma pessoa portadora HIV e não se contaminar?

Sim. A transmissão não ocorre em 100% dos casos. Por exemplo, se uma pessoa que é portadora do HIV faz o tratamento adequadamente e está com sua carga viral indetectável provavelmente não acontecerá a transmissão.  

 

4. É verdade que mulher não transmite HIV para o homem?

Não. É possível, sim, que homens se contaminem com HIV tendo relações desprotegidas com mulheres HIV positivas.

 

5. Se o parceiro não ejacular dentro da vagina ou do ânus, ainda assim há risco de transmissão do HIV?

Sim. Não é preciso ejaculação para haver transmissão do HIV.

 

6. Qual é a via sexual que traz mais riscos? 

O sexo anal é o que oferece maior risco de transmissão do HIV, mas ela pode acontecer em qualquer tipo de relação sexual.

 

7. Sexo oral transmite HIV?

Sim, o risco de transmissão do HIV pelo sexo oral sem proteção existe, mas é baixo. No entanto, a chance de contrair o HIV aumenta quando há ejaculação na boca. No caso da prática do sexo oral na vagina, os riscos podem aumentar se a pessoa receptora do sexo oral estiver menstruada. Para a prevenção recomendamos o uso da camisinha feminina.

E é importante lembrarmos que outras infecções podem ser adquiridas pelo sexo oral, como sífilis, herpes, HPV, hepatites virais e outras tantas. Portanto, também é importante o uso de preservativo masculino ou feminino no sexo oral.

 

8. Se eu beijar um HIV positivo que esteja com uma lesão na boca posso ser contaminado?

Não, o beijo não transmite o HIV. No entanto, existe um risco baixíssimo de transmissão se existir um sangramento visível na boca do portador de HIV e lesões na boca da outra pessoa. 

 

9. Sexo entre mulheres transmite o HIV?

Sim, mas o risco é muito baixo. No entanto, esse risco aumenta quando há sangramentos durante a relação sexual ou a presença de fluxo menstrual.

 

10. Existe risco de transmissão do HIV através da penetração anal ou vaginal com os dedos?

Muito baixo, quando o dedo apresentar cortes ou feridas é possível se contaminar. E, se o dedo estiver sangrando é possível transmitir o vírus. 

 

11. É possível a contaminação com o HIV se um mosquito picar uma pessoa infectada e imediatamente depois me picar?

Não. Não existe transmissão do HIV por insetos.

 

12. É possível transmitir o HIV pelo leito materno?

Sim. O aleitamento materno é uma das vias possíveis de transmissão do HIV da mãe para o filho.

 

13. Partilhar brinquedos sexuais pode causar transmissão do HIV?

Sim. Por isso é importante o uso de preservativo no objeto sexual quando o seu uso for compartilhado.

 

14. É possível pegar o HIV em banheiros públicos?

Não. O HIV não é transmitido pela urina ou pelas fezes, além do mais, ele sobrevive fora do corpo humano por poucos minutos (nos fluidos sexuais e no sangue).

 

15. É possível pegar HIV partilhando lâminas de barbear?

Sim, mas o risco é baixo. O risco ocorre ao usar uma lâmina com sangue fresco de uma pessoa contaminada.

 

16. É possível pegar HIV de uma pessoa contaminada, mas ainda aparentemente saudável, ou seja, sem AIDS?

Sim. O fato da pessoa portadora do HIV ainda não ter critérios para AIDS ou qualquer doença aparente não significa que ela não possa transmitir o vírus. Também é importante salientar que no primeiro ano após o contágio pelo vírus do HIV é quando existe maior probabilidade de transmissão, pois nesse período a carga viral está muito elevada e, geralmente, o portador ainda desconhece seu estado sorológico.

 

17. É possível pegar HIV através de tatuagens ou piercing?

Sim. Todo material que penetre a pele deve ser descartável. Se o profissional que faz a tatuagem ou coloca o piercing reutiliza material, há sempre risco de contaminação, nesse caso principalmente pelas hepatites virais. Se o material for estéril e descartável, não existe risco de transmissão.

 

18. O sangue de outra pessoa tocou na minha pele, posso ter sido contaminado?

O contato de sangue com a pele íntegra não transmite o HIV. Só existe risco se o sangue entrar em contato com feridas na pele ou mucosas (olho, ânus ou vagina).

 

19. Tosse ou espirro transmitem HIV?

Não. O vírus do HIV não é transmitido pela saliva, pelo escarro ou por gotículas originadas na fala ou espirros.

 

20. Trabalho/moro com uma pessoa portadora do HIV, devo tomar alguma precaução em relação a ela?

Não, desde que vocês não tenham relações sexuais desprotegidas. Para saber mais consulte a Mandala da Prevenção Combinada. 

 

21. É possível pegar HIV através de um alimento propositadamente contaminado?

Não. O HIV sobrevive pouquíssimo tempo fora do corpo humano e não resiste ao contato com calor ou outras substâncias químicas. Além disso, o HIV é inativado pela saliva e pela acidez do estômago. 

 

22. Se o vírus do HIV não é transmitido pelo beijo, como ele pode ser detectado pelo exame de fluido oral (que é coletado na boca?)

O teste de fluido oral (como o teste rápido feito com sangue e grande parte dos exames laboratoriais de HIV) não detecta o vírus do HIV, mas sim os anticorpos que o nosso corpo produz em virtude da presença do HIV. 

 

23. Doar sangue pode me contaminar?

Não. Doar sangue não faz ninguém pegar HIV.

 

24. Já existe vacina para o HIV?

Não, ainda não existe vacina contra o HIV. 

 

25. O que é janela imunológica?

A janela imunológica é o tempo que o corpo humano leva para produzir anticorpos contra o HIV. Neste período (que leva, em média, de 15 a 30 dias para atingir níveis detectáveis em exames diagnósticos), a pessoa pode já estar infectada e ainda sim o teste ter resultado negativo.

 

26. Posso ter HIV e não ter AIDS?

Sim. O desenvolvimento da AIDS (surgimento de doenças oportunistas) está relacionado com a diminuição da imunidade. Assim, se o diagnóstico for realizado precocemente e mantido adequado tratamento para o HIV, a AIDS não irá se desenvolver. Neste caso, a pessoa será apenas portadora do vírus do HIV pelo resto de sua vida.

 

27. Qual a diferença entre PEP e PrEP?

A PEP é a Profilaxia Pós-Exposição, ou seja, ela está indicada no caso de uma urgência, quando alguém pode ter sido exposto ao vírus do HIV, seja por uma relação sexual desprotegida, por violência sexual ou por acidente com material pérfuro-cortante, e deve ser iniciada até 72 horas após a exposição de risco e dura 28 dias.

Já a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), é o uso de medicamentos antirretrovirais diariamente para pessoas que não tem o vírus do HIV, mas estão mais expostas ao vírus (pessoas trans e travestis, gays e outros HSH, profissionais do sexo e casais sorodiferentes).

 

28. Casais que tem HIV podem ter filhos sem passar o vírus do HIV para a criança?

Sim. Quando o casal faz adequadamente o seu tratamento e segue as orientações, a chance da criança ter o vírus é menor que 1%. Para isso, é preciso que a mulher mantenha a carga viral indetectável, faça uso da TARV diariamente e não amamente a criança. Além disso, também é importante o uso de preservativo em todas as relações sexuais. 

Outro fator importante é o planejamento da gestação, pois o mais adequado é que a concepção aconteça quando o casal estiver com a carga viral indetectável.

 

29. Quando o homem tem HIV/AIDS e a parceira não tem, há risco de infectar o bebê na gestação, no parto ou pela amamentação?

A mulher só irá transmitir o vírus do HIV se ela for portadora. Assim, se o homem tem HIV e a mulher gestante não, deve ser feito o acompanhamento do pré-natal com testagens para HIV mais frequentes, o homem deve ter uma boa adesão ao tratamento antirretroviral (para que a carga viral seja indetectável) e deve ser usado preservativo em todas as relações sexuais.

No momento do parto a mãe também será testada para o HIV para assegurar que neste momento ela não está infectada. Esse cuidado deve continuar durante todo o período de amamentação, pois o vírus pode ser transmitido para o bebê durante a gestação, o parto ou na amamentação. 

O tratamento do parceiro com HIV e o uso do preservativo em todas as relações são essenciais para a prevenção da transmissão do HIV, pois é possível que a mulher tenha sido infectada alguns dias antes do parto e o exame na maternidade pode ser negativo, mas a mulher já ter o vírus (em virtude da janela diagnóstica de 30 dias).

 

30. O que são casais sorodiferentes?

É quando um dos parceiros possui sorologia positiva para o HIV e outro não. Há diversos casais nessa situação, pois quando o tratamento é feito adequadamente e se faz uso do preservativo nas relações sexuais a transmissão não acontece. 

 

IMPORTANTE

O diagnóstico precoce do HIV aliado ao tratamento adequado constitui uma forma de prevenção para novas transmissões, além de melhorar tanto a expectativa de vida quanto a qualidade de vida do portador de HIV.

Rua Júlio de Castilhos, 930 Centro - Vacaria/RS

Contato

Contato

99199-1439

E-mail

E-mail

sae.saude@vacaria.rs.gov.br

Open chat
Precisando de ajuda?